Aristóteles Drummond: inteligência emocional no BNDES

112

Hoje, a prioridade é o emprego e a retomada do crescimento. E o BNDES é o mais poderoso instrumento do governo

Paulo Rabello de Castro é o príncipe dos economistas liberais. Não foi sem fundamento que Roberto Campos, no jantar de seus 80 anos, no Copacabana Palace, promovido pelo seu amigo e parceiro em feitos notáveis José Luiz Bulhões Pedreira, escolheu o jovem economista para fazer o discurso de saudação. Agora, no centenário do inesquecível brasileiro, foi ele a organizar o livro comemorativo, editado pelo Instituto Atlântico e a Resistência Cultural, o ‘Lanterna na Proa’.

Alçado à Presidência do BNDES, em feliz escolha do presidente da República, assumiu o alto cargo com a postura responsável do homem público que pauta sua atuação dentro das normas do consenso e do bom senso.

Não se muda uma cultura no trato da economia de uma hora para outra. Sua linha é liberal, mas sabe conviver com uma realidade que, por vezes, exige flexibilidade em nome de objetivos maiores.

Hoje, a prioridade é o emprego e a retomada do crescimento. E o BNDES é o mais poderoso instrumento do governo. Pode, neste momento grave, adotar uma ou outra medida afinada com a cultura que queremos superar, mas que ainda é realidade nas decisões de investir na retomada da produção.

Infelizmente, alguns açodados analistas, não compreendendo as altas responsabilidades de presidir um órgão dessa magnitude, passou a cobrar de Paulo Rabello de Castro medidas autoritárias. O banco já sofreu demais por ter sido dirigido ao sabor da vontade dos poderosos de momento.

Agora é hora de correção de rumo, sem paralisar iniciativas voltadas para a prioridade que não é apenas do governo, mas de todos nós. Requer muita habilidade para acabar com distorções sem prejudicar a economia, que não pode prescindir das plantas industriais existentes, redistribuídas quando possível, nem de financiamentos de infraestrutura, da qual dependemos para competir.

O discurso na ACRJ foi muito aplaudido. Exercer comando no Brasil de hoje é efetivamente um desafio a pedir tolerância, compreensão e muito amor ao nosso país.

As cobranças estão muito passionais, pressionando de todos os lados os encarregados de missões de alta relevância. Homem de bom temperamento, o presidente do BNDES saberá superar incompreensões pontuais e cumprir bem a sua missão, com coerência e coragem.

Fonte: Jornal O Dia

COMPARTILHE